Microempresas representam metade dos estabelecimentos em ensino privado de João Pessoa, apesar de tendência de reversão

Analisando as escolas particulares de João Pessoa por tamanho do estabelecimento, percebe-se que, em 2008, mais da metade (52,79%), das unidades eram microempresas, ou seja, empresas com até 9 empregados. Já as pequenas empresas (de 10 a 49 empregados), representavam 37,34% do total dos estabelecimentos privados de ensino básico. As médias empresas, unidades de ensino que possuem de 50 a 99 empregados, representavam 7,30% dos estabelecimentos, enquanto que as grandes empresas (acima de 99 funcionários) detinham um percentual de 2,58%.

Gráfico 1: Distribuição das escolas particulares do ensino básico por tamanho dos estabelecimentos privados João Pessoa, 2008

Fonte: RAIS. Ministério da Economia. Secretaria de Trabalho. Elaboração: Econsult
Nota: Microempresas (ate 9 empregados), pequenas empresas (de 10 a 49 empregados), médias empresas (de 50 a 99 empregados) e Grandes empresas (acima de 99 empregados).

Ao comparar os números de 2008 com os registros mais recentes de 2017, nota-se que houve uma tendência de redução da participação das unidades de pequeno porte, em detrimento as grandes unidades de ensino. As microempresas apresentaram nos 10 anos estudados, uma redução de 7,17 pontos percentuais (p.p.), ao passo em que as pequenas (+1,71 p.p.), médias (+4,75 p.p.) e grandes empresas (+0,71 p.p.) registraram uma elevação em suas participações.

Gráfico 2: Distribuição das escolas particulares do ensino básico por tamanho dos estabelecimentos privados João Pessoa, 2017

Fonte: RAIS. Ministério da Economia. Secretaria de Trabalho. Elaboração: Econsult
Nota: Microempresas (ate 9 empregados), pequenas empresas (de 10 a 49 empregados), médias empresas (de 50 a 99 empregados) e Grandes empresas (acima de 99 empregados).

Assim como pode ser visto no gráfico 2, a redução significativa na participação das microempresas ocorreu na medida em que houve um aumento considerável na participação das médias empresas, mostrando assim uma tendência que corrobora com a tese dos menores estabelecimentos estarem dando lugar as grandes unidades de ensino privado.

Médias e grandes empresas apresentam os maiores crescimentos no número de unidades

As informações da RAIS mostram que as médias empresas registraram um aumento de 94% em seu estoque de estabelecimentos, saindo de um total de 17 unidades, em 2008, para um de 33, em 2017. Em segundo lugar, vem as grandes empresas (acima de 99 empregados), cujo crescimento foi de 50% no período de 2008 a 2017. As pequenas empresas apresentaram uma elevação de 23%, aumentando de 87 unidades para um total de 107. As microempresas foram as únicas que praticamente apresentaram estabilidade no seu estoque de empreendimentos, registrando uma elevação de apenas 1,6% no período estudado.

Gráfico 3: Total de estabelecimentos privados nas etapas do ensino básico – João Pessoa, 2008 a 2017

Fonte: RAIS. Ministério da Economia. Secretaria de Trabalho. Elaboração: Econsult
Nota: Microempresas (ate 9 empregados), pequenas empresas (de 10 a 49 empregados), médias empresas (de 50 a 99 empregados) e Grandes empresas (acima de 99 empregados).

Médias e grandes empresas passam a ter uma maior participação no ensino fundamental e médio

A tabela 1 apresenta o quantitativo de escolas privadas em João Pessoa, por etapas do ensino básico e por tamanho do estabelecimento. A partir dos registros administrativos divulgados pelas unidades de ensino, percebe-se uma importante reversão no tamanho das escolas principalmente para o ensino fundamental e o médio.

Para as empresas que contemplam o ensino médio, nota-se uma estabilidade no número de microempresas nos dez anos analisados.   Já as pequenas empresas dessa etapa reduziram seu quantitativo em quase metade, caindo de 20 unidades, em 2008, para um total de 12, em 2017. As médias empresas, em contrapartida, cresceram de 11 para 14 unidades de ensino. As grandes empresas apresentaram um aumento de uma unidade (3 escolas, em 2008, e 4 escolas, em 2017).

Na etapa fundamental de ensino, houve uma redução no número de microempresas (queda de 63 para 48 unidades) e de pequenas empresas (de 45 para 39 unidades). Já as médias empresas cresceram de um total de 11 escolas, em 2008, para um de 14 unidades, em 2017. As grandes empresas subiram de 3 para 5 unidades nos 10 analisados.

A educação infantil, é única modalidade de ensino básico que não possui grandes empresas. Para o caso das creches, nota-se que o seu maior contingente de estabelecimentos é classificado como microempresas, que em 2008 tinha um estoque de 4 unidades, subindo para 16 em 2017. Assim como foi dito na seção anterior, essa etapa de ensino foi a que obteve a maior ampliação no número de estabelecimentos e isso é corroborado pelo fato delas saírem de uma situação onde todas eram apenas  microempresas em 2008, para um mercado onde se verificou o surgimento de 13 pequenas empresas e 1 média empresa nesse ramo em 2017. Já para a etapa pré-escolar, as microempresas cresceram de 50 para 55 unidades, as pequenas, de 22 para 43 e as médias de 2 para 6 unidades no período analisado.